Rattus norvegicus é conhecido popularmente como ratazana, rato-castanho ou rato-se-esgoto. Esta espécie vive em grandes colonias cujo tamanho depende da disponibilidade de recursos como água e alimento e abrigo.  A seguir iremos apresentar algumas características tanto físicas quanto de comportamento que podem auxiliar a identificação desta espécie. Apresentamos importância para a área da saúde, ja que esta espécie pode ser trasmissora de várias doenças com a leptospirose. Tratamentos, medidas corretivas e preventivas são apresentadas em roedores. 

 

Rattus norvegicus (ratazanas) e a relação com outras espécies

Pode ocorrem no mesmo ambiente com outra espécie Rattus rattus (rato-preto).

As ratazanas despertam o medo nos camundongos, já que servem de alimento para esta espécie.

 

Quais são as Características de Rattus norvegicus (ratazanas)

Na morfologia, ou seja, na aparência física 

Maior espécie de roedores ( 20 a 25 cm compr.) 

Corpo robusto

Cauda do mesmo tamanho ou menor que o corpo

Patas anteriores e posteriores tem cinco dedos com membranas interdigitais.

Orelhas pequenas, normalmente meio enterradas no pêlo. 

Focinho arredondado

Olhos pequenos

Coloração cores escuras

 

No comportamento

É desconfiado, neofobia marcada em locais pouco movimentados.

Nadador hábil.

Cava tocas no solo

 

Alimentação

Onívoro, consomem preferencialmente grãos, carnes, ovos e frutas.

 

Ambiente preferencial

Habita preferencialmente ambientes fora do domicílio, mas pode viver no interior das residências. Faz ninhos em tocas e galerias no subsolo, beira de córregos, lixões.

Fezes

Em forma de cápsula com extremidades rombudas (cilíndricas)

 

Rattus  norvegicus (ratazanas) e saúde pública

É uma espécie de grande relevância para a saúde pública, pois são os transmissores de diversas doenças como leptospirose, toxoplasmose, tifo, peste bubônica, salmonelose, micoses e sarnas. 

Sites consultados

Agência Embrapa de Informação Tecnológica. Disponível em: http://www.agencia.cnptia.embrapa.br/Repositorio/cartilha_ratos_000g0trhb5c02wx5ok026zxpgx1v3cop.pdf. Acesso em: 15 mar. 2019.

Ministério da Saúde. 2002. Manual de Controle de Roedores. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_roedores1.pdf. Acesso em: 15 mar.2019. 

antos, B. F. 2002. Criação e manejo de camundongos. Disponível em: http://books.scielo.org/id/sfwtj/pdf/andrade-9788575413869-16.pdf. Acesso em: 15 mar.2019. 



 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 



 

 

É a maior das espécies de ratos encontradas em áreas urbanas. Os adultos tem cerca de 20 a 25 cm de comprimento, pesam de 250 a 350 g, mas podem chegar à 1000 g. A cauda pode atingir o comprimento corporal ou pode ser levemente mais curta, possui orelhas curtas, pelo áspero e cinzento a acastanhado. As patas apresentam curtas membranas entre os dedos, também chamadas de membranas interdigitais. Estas membranas são uma adaptação ao nado.

As ratazanas possuem alta capacidade auditiva e olfato bem desenvolvido. A visão é pouco desenvolvida, entretanto percebem muito bem a luz azul (devido à grande quantidade de receptores de radiação ultravioleta), diferentemente de muitos mamíferos.  

As espécies do gênero Rattus são muito sensíveis às mudanças no ambiente que os cerca. Levam dias para consumir alimentos que rotineiramente não estavam naquele lugar.

A partir desta espécie, através de modificações genéticas, foram produzidas muitas variedades de ratos, como os ratos brancos de laboratório ( linhagem Wistar - rato albino) , onde foram selecionadas características recessivas para o albinismo. Também foram desenvolvidas outras variedades de ratos de estimação.

Rattus norvegicus linhagem albina

 

 

 

 

 

 

 

 

Rattus norvegicus variedades