25 Apr

Formas de combater formigas domésticas

As formigas domésticas são adaptadas ao ambiente urbano apresentando comportamentos diferentes de outras formigas silvestres. Mudam seus ninhos de lugares sempre que se sentem ameaçadas. A colônia pode ser totalmente transferida formando novos ninhos principais ou parcialmente formando os ninhos secundários ou satélites.

As formigas em nossas residências

Nossas casas oferecem proteção contra os inimigos, o calor e frio excessivos. Dentro de nossas residências existem muito locais que oferecem abrigo para as formigas, tais como as frestas em janelas, portas ou portais, fissuras em paredes ou em pisos, rodapés, dentro de gavetas, forros de madeira, vigas em telhados, cantos de pia, etc. Em áreas externas como jardins locais como madeiras podres, árvores vivas ou mortas e cavidades no solo, também servem de abrigo para estes insetos. Além disso nossas casas são locais onde estas pragas encontram acesso facilitado a alimentos e água.

 

Dependendo da época a procura por certos alimentos pode diminuir ou aumentar de acordo com as necessidades da colônia. Um exemplo, é a busca por alimentos ricos em proteína, que aumenta no período de produção de ovos; glicose e óleos são procurados na época de crescimento das larvas, estes também são utilizados para suprir as necessidades energéticas das próprias operárias.

Danos causados por formigas

São os insetos que mais contaminam os ambientes por ande passam. Isso porque devido ao seu tamanho diminuto alcançam muitos lugares que podem estar contaminados ou contaminá-los. Transportam no seu corpo e patas uma grande diversidade de microrganismos causadores de doenças, tais como bactérias, vírus e vermes. Podemos, inclusive, destacar os problemas relacionados à saúde pública como infecções hospitalares, que tem levados muitos pacientes à morte (Pesquero 2008).

Em residências as pequenas formigas entram em contato com alimentos, principalmente os ricos em glicose, contaminando-os. Esses insetos chegam a ser mais perigosos que as baratas, pois a quantidade de microrganismos transmissores de doenças é bem maior. Podem se contaminar em diversos lugares tais como lixo, fezes, feridas entre outros. Comer alimentos que tiveram contato com as formigas pode causar verminoses, intoxicações alimentares, vômitos, diarreia, gripes até tuberculose.  

Formigas em pão doce.
Formigas em pão-doce.

Causam danos à equipamentos elétricos e eletrônicos trais como fornos de microondas, aparelhos telefônicos, microcomputadores, geladeiras, televisões, aparelhos de som, etc. Formigas aumentam a umidade destes equipamentos, liberam várias secreções, tais como o ácido fórmico, inutilizando o aparelho, pois destroem as placas eletrônicas. 

Monomorium em airbag
Formiga (Monomorium pharaonis) em sensor de airbag.

O controle

Para o controle populacional destas pragas urbanas devem ser utilizados produtos domissanitários que apresentam baixa toxicidade para o homem e o meio ambiente, e alta eficiência contra as formigas. São indicados métodos de pulverizações e infiltrações em troncos de árvores, ou em outros abrigos e seus entornos onde estejam localizadas as colônias, evitando com que novas venham se estabelecer no local. É indicado que esses produtos sejam manipulados por técnicos habilitados e que se contrate uma empresa especializada para a execução do serviço.

A melhor forma de se evitar o aumento populacional formigas é através de medidas preventivas. Como a escolha do lugar para sua instalação e fixação das colônias está diretamente relacionada com a disponibilidade de alimentos, ações simples como retirar estas fontes, assim como fazer o acondicionamento correto destes. Um exemplo é passar a guardar o açucareiro na geladeira. 

Outra medida preventiva é a adequada disposição final do lixo úmido, tais como casca de frutas, que reduzem as chances de proliferação de formigas domésticas.

A utilização de iscas para impedir o acesso ao formigueiro em pontos estratégicos, como áreas de rotas (caminho das formigas) é também uma medida importante no monitoramento de formigas.

Referências

PESQUERO, M. A. 2008. Formigas em Ambiente Hospitalar e seu Potencial como Transmissoras de Bactérias. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ne/v37n4/a17v37n4.pdf. Acesso em: 24 abr. 2019.

SÃO PAULO. Secretaria de Meio Ambiente. 2013. Fauna Urbana vol 1. Cadernos de educação ambiental 17. Disponível em: http://arquivo.ambiente.sp.gov.br/cea/2013/11/caderno-educacao-ambiental-17-vol-1.pdf. Acesso em: 22. jan. 2019.

ZORZENON, F. J.; CAMPOS, A. E. C.; JUSTI JUNIOR, J.; POTENZA, M. R. Principais pragas da arborização urbana II: formigas carpinteiras. 2011. Disponível em: http://www.infobibos.com/Artigos/2011_4/PrgasJardins2/index.htm. Acesso em: 11 fev. 2019.