06 Mar

Zona Oeste do Rio é a mais afetada por epidemias de dengue

Verão sem dengue: é possível?

O último episódio da série 'Verão sem dengue: é possível?' mostrou a preocupação da população da região com a chegada da estação em que os casos da doença se multiplicam. Dos 20 bairros com maior incidência da doença, 12 ficam nessa área. Os moradores apostam na conscientização da população para combater o mosquito Aedes aegypti.

Enquanto a população do Rio de Janeiro está preocupada com o novo "corona vírus". Já no final do ano passado a zona oeste do Rio de Janeiro vivia um surto de dengue, doença causada por vírus e transmitida pelo mosquito Aedes aegypti

Pneus empilhados em calçada em rua no bairro de Realengo são criadouros para mosquito da dengue.
Pneus com água acumulada oferecem risco de proliferação do mosquito da dengue em Realengo (RJ). Foto: Bárbara Souza / CBN

Comparativamente a dengue mata muito mais do que o novo corona vírus no mundo. Para se ter uma ideia, em 2015, 2,35 milhões de casos foram notificados apenas nas Américas, sendo 10.200 casos diagnosticados na forma grave, causando 1.181 mortes. Em comparação, em 2020, fora da China foram confirmados 14.768 casos em outros 85 países e territórios que causaram 267 mortes. 

Dengue ultrapassa coronavírus em mortes

Em 2019, foram registrados mais de 1,5 milhão de casos da doença no Brasil. Enquanto o novo coronavírus matou 426 pessoas, a dengue causou a morte de 782.

O número casos registrados aumentou consideravelmente entre os anos de  2018 e 2019 ( cerca de 700%) e a taxa de mortalidade aumentou em 7 x. Além disso, foi identificado o sorotipo 2 deste vírus, também transmitido pelo nosso velho conhecido, o mosquito Aedes aegypti. O perigo deste sorotipo 2 é que se a pessoa contraiu o tipo 1, se ela contrair o tipo 2 os sintomas são ainda mais graves. 

População da China têm se curado do coronavírus sozinha como se cura um resfriado

Apenas 2% dos casos confirmados do novo coronavírus resultaram em mortes, segundo a Organização Mundial de Saúde. A maioria dos chineses que contraíram o coronavirus se curaram da doença. 

Mesmo não existindo vacinas e nem medicamentos capazes de curar as pessoas contra coronavirus, cerca de 730 chineses contaminados se livraram completamente da doença, como costuma acontecer com um quadro viral comum.

Matéria extraída do site: http://cbn.globoradio.globo.com/media/audio/281797/zona-oeste-do-rio-e-maioria-em-casos-de-epidemia-d.htm 

Sites consultados

https://www.minhavida.com.br/saude/materias/35902-dengue-e-gripe-no-brasil-sao-mais-letais-que-coronavirus